MOÇÃO Nº 20.964/2017

MOÇÃO DE CONGRATULAÇÕES AO MUNICÍPIO DE SANTO ESTÊVÃO PELA PASSAGEM DO SEU ANIVERSÁRIO DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA.

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA BAHIA faz inserir na ata dos seus trabalhos Moção de Congratulações ao município de Santo Estêvão pela passagem do seu aniversário de 96 anos de emancipação político-administrativa, comemorado no dia 21 de setembro do corrente ano.

Um fato curioso, que envolve uma sequência de desaparecimentos da imagem do Santo Estêvão, padroeiro local, de sua capela, integra os acontecimentos que compõem a história da cidade. Mas para compreender melhor a situação é importante saber mais sobre a trajetória do lugar.

O território onde hoje está o município tem seus registros históricos iniciais realizados no começo do século XVIII, período em que o padre português José da Costa Almeida chegou à região, sendo um dos seus primeiros desbravadores. No local o sacerdote instalou uma fazenda e construiu uma capela dedicada ao Santo Estêvão, o que atraiu mais moradores para o lugar.

Por volta de 1740, uma forte seca atingiu a localidade, fato que fez o religioso procurar outra área para residir. Em sua busca, o padre José da Costa Almeida encontrou um planalto, onde hoje está a Praça da Lua, e nele fixou residência, além de construir uma nova igrejinha também dedicada ao Santo Estêvão. Com isso, o sacerdote trouxe a imagem do santo para a nova capela. A partir daí começa o mistério.

Depois de ser acomodada na igrejinha recém-construída, a imagem sumiu de lá e foi encontrada na primeira capela. O religioso então trouxe o Santo Estêvão para a nova igrejinha. Esses desaparecimentos e transferências do santo aconteceram algumas vezes. Até que o padre José da Costa Almeida desistiu de transferir o santo e colocou outra imagem na capela nova, cuja redondeza ficou conhecida como Santo Estêvão Novo.

Em 1751 o padroeiro foi contemplado com outra igreja, cuja elevação à categoria de freguesia de Santo Estevão de Jacuípe foi realizada no ano de 1754. O lugar pertenceu ao município de Cachoeira. A conquista da autonomia se deu no ano de 1921, mas o nome só foi modificado para Santo Estêvão dez anos mais tarde.

Integrante do Território de Identidade Portal do Sertão, o município tem o rio Paraguaçu entre suas belezas naturais. A economia local se baseia em atividades a exemplos do comércio, indústria e agropecuária. Além dos festejos juninos, a micareta compõe as principais expressões da cultura santo-estevense.

Na data em que Santo Estêvão comemora a sua emancipação político-administrativa, a Assembleia Legislativa da Bahia, parabeniza o município por seu progresso, desejando que sua população tenha cada vez mais garra para fazer sua terra natal ter muitas conquistas.

Dê-se ciência da presente Moção à Prefeitura Municipal e à Câmara Municipal.

Sala das Sessões, 20 de setembro de 2017

Deputado Carlos Geilson