MOÇÃO Nº 21.817/2018

MOÇÃO DE PESAR PELA MORTE DO EX- GOVERNADOR DA BAHIA, WALDIR PIRES.

 

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA BAHIA faz inserir na ata dos seus trabalhos Moção de Pesar pela morte do ex-governador da Bahia, Waldir Pires, ocorrida neste 22 de junho do corrente anos.

 

Filho de José Pires de Souza e de Lucíola Figueiredo Pires de Souza, Waldir Pires nasceu em 21 de outubro de 1926, no município baiano de Acajutiba. O futuro político passou a infância na cidade de Amargosa, onde estudou o primário. Já aos 15 anos e no município de Nazaré das Farinhas, ele cursou o ginásio e, com a intenção de angariar recursos para fazer o curso preparatório para a faculdade em Salvador, deu aulas de latim, matéria obrigatória na época, e datilografia.

 

Quando completou 16 anos e com os recursos ganhos, Waldir Pires mudou-se para a capital baiana e ingressou na Faculdade de Direito, sendo, ao final do curso, escolhido como orador da sua turma, cuja formatura marcou a solenidade de inauguração do Fórum Ruy Barbosa, fato ocorrido em 1949, ano do primeiro centenário de nascimento desse renomado e polivalente baiano. Enquanto discente, na União dos Estudantes da Bahia, entidade existente à época, o já atuante político liderou o Movimento Antinazista.

 

No mandato do então governador da Bahia Luís Régis Pacheco Pereira (1951-1955), ele foi secretário de Governo. Por intermédio do ministro da Educação no segundo mandato presidencial de Getúlio Vargas (1951-1954), Antônio Balbino, Wadir Pires dirigiu a Delegacia Federal de Educação. Já sendo um político conhecido em nível nacional, foi eleito deputado estadual em 1954, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), e no ano de 1958 foi eleito deputado federal pelo Partido Social Democrático (PSD).

 

Além de contribuir para a criação da Universidade de Brasília (UnB), em 1962, ele foi coordenador dos cursos jurídicos e também professor de Direito Constitucional na instituição. No ano seguinte, Waldir Pires foi nomeado consultor-geral da República no governo de João Goulart. Após o golpe militar de 1964 e com seus direitos políticos suspensos, o político ficou exilado por seis anos (parte no Uruguai e parte na França) e retornou ao Brasil em 19760, mas só recuperou seus direitos políticos através da Lei da Anistia Política, promulgada no ano de 1979 pelo último presidente do Brasil durante o regime militar, general João Baptista Figueiredo. No governo do então presidenciável José Sarney, em meado da década de 1980, ele assumiu o Ministério da Previdência e Assistência Social.

Nas eleições do ano de 1986 e filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), Waldir Pires venceu o pleito e se tornou governador da Bahia, governador Antônio Carlos Magalhães, seu principal adversário na política. Já pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), o político foi eleito para retornar ao Congresso Nacional, onde iniciou o segundo mandato como deputado federal em 1991. No ano de 1999 ele foi reeleito deputado federal, sendo este o seu terceiro e último mandato nesse cargo.

Em 2003, no governo do agora ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Waldir Pires foi ainda ministro-chefe da Corregedoria-Geral da União, atual Controladoria-Geral da União (CGU), sendo o idealizador de ferramentas de controle do poder público, como o Portal da Transparência. Desse cargo o político saiu no ano de 2006 para assumir o Ministério da Defesa. Em 2008 ele foi condecorado com o título de Cidadão Benemérito da Liberdade e da Justiça Social João Mangabeira, que é concedido a brasileiros dedicados às causas nobres, humanas e sociais.

Agora filiado ao Partido dos Trabalhadores – PT, no ano de 2012 Waldir Pires, já prestes a completar 86 anos, foi eleito com 13,8 mil votos para vereador de Salvador, sendo essa a 17ª Legislatura (2013-2016) da Câmara Municipal, quando ele encerrou a extensa e destacada trajetória política. A biografia do político, escrita pelo jornalista Emiliano José, foi lançada na capital baiana há poucos dias, mais precisamente em 14 de junho. O lançamento foi realizado no Palácio Rio Branco, no Centro Histórico, e teve a participação do biografado, que se emocionou muito com a obra. Para concretizar o livro, autor se empenhou por quase seis anos entre pesquisas, entrevistas, viagens e redação. A biografia foi dividida em dois 153volumes. O primeiro conta a história de Waldir Pires desde o seu nascimento até o exílio. O segundo traz relatos da vida do político a partir do ano de 1979, sendo finalizado no ano de 2016, quando ele deixou a vida pública. Ele foi casado com Yolanda Avena Pires, falecida em 2005, e deixou quatro filhos, nove netos e oito bisnetos, frutos dessa união celebrada em 1950.

Na data de grande perda para as políticas baiana e brasileira, a Assembleia Legislativa da Bahia lamenta profundamente a morte do ex-governador da Bahia, Waldir Pires, um democrata na sua essência, um político diferenciado. Fica o seu exemplo, a sua conduta de homem público e a sua luta pela redemocratização do país.

Dê-se ciência da presente Moção à família do ex-governador da Bahia, Waldir Pires, através do atual governador do Estado, Rui Costa.

Sala das Sessões, 23 de junho de 2018.

Deputado Carlos Geilson