O estado de abandono em que se encontra o Espaço Cravo, instalado numa área do Parque Metropolitano de Pituaçu, em Salvador, foi criticado pelo deputado estadual Carlos Geilson (PSDB). O espaço é uma espécie de museu a céu aberto com parte do acervo de esculturas do artista plástico Mário Cravo Júnior, que faleceu no último dia 1º, aos 95 anos.

Geilson esteve no parque na manhã desta quarta-feira (15/08) e saiu preocupado com o que viu: dezenas de obras de arte que o artista espalhou na área do parque abandonadas, sendo destruídas pela ferrugem, muitas parcialmente cobertas pelo mato.

Ele lembrou que Mário Cravo Júnior foi um dos mais importantes representantes do movimento modernista na Bahia. “Pintor, escultor, gravador, desenhista, foi um artista completo no campo das chamadas artes visuais e com sua obra, incluiu a Bahia no cenário das artes nacionais”.

Destacou que criações do artista estão espalhadas por Salvador, constituindo, por si só, elementos de interesse dos que visitam a cidade, como o monumento da Cruz Caída, na Praça da Sé; a famosa Sereia da Praia de Itapoan; e a Fonte da Rampa do Mercado, na Praça Cairu.

“Lamentar a morte do artista, como fez o governador Rui Costa, é muito pouco. Melhor faria ele se determinasse à Secretaria do Meio Ambiente, responsável pela administração do Parque de Pituaçu, que cuidasse dessas obras, doadas por Mário Cravo Júnior ao povo da Bahia”, disse o deputado.